segunda-feira, 8 de novembro de 2010

100 ANOS DE SAUDADES

Noel

Já chorei as mulheres
Aquelas que por hora
apaixonei-me
Já cantei os versos
do passado
nas alamedas perdidas de outrora
e agora Noel
O que faço com a Vila
Se a Isabel já alforriou
os nossos santos
que de mãos negras
cultivaram nossos prantos
E agora Noel
Uma praça,
um banco,
uma caixa de fósforo
um batuque
incendeia os quadris
das mulatas faceiras
Bamboleando
Martinho, Sapoti
e Marrom espelham a cor
brejeira
da Mangueira, do Salgueiro
e da nossa Vila.

Mozart

Um comentário:

  1. Noel não poderia ter recebido uma homenagem mais tocante e sensível.

    ResponderExcluir